Blogger Template by Blogcrowds

.

Olá!
Estou meio atrasado, mas quando se trabalha e se tem muitos prazos, falta tempo para se fazer algo que seja divertido e interessante.
Mas, bem, aqui estou eu para a terceira postagem da série Autores de Fantasia, que está sendo elogiada e cada vez mais gente tem interesse de mostrar um pouquinho de si para o mundo.
E a postagem de hoje é sobre Eric Musashi, autor da dualogia Os Herdeiros dos Titãs.

Eric Musashi
Nascido em Campo Grande-MS em 10-10-1985, Eric Musashi é autor e pesquisador, atualmente concluindo a sua graduação em Direito pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
Dedica-se à criação do universo de suas obras desde 2003, com a publicação da primeira delas, a dualogia Os Herdeiros dos Titãs, em 2011.

Obra
Os Herdeiros dos Titãs narra o período decadente de uma civilização de quatro mil anos, que agoniza e desafia o tempo num sistema falido baseado nos desmandos de uma Rainha-Deusa e seus sacerdotes, ditos imortais.
Em De lutas e ideais, a primeira parte dessa aventura, somos apresentados ao drama familiar de Téoder, o maior herói de seu tempo, mas que foi levado a assassinar a própria esposa por ordem da Rainha, e Arion, seu filho, um líder revolucionário que tenta trazer de volta o velho modo de vida em sua cidade.
Contudo, conflitos sangrentos e tragédias o levam a meramente lutar para se manter vivo. E tudo o que ele temia, um reencontro com o pai, se torna cada vez mais iminente e necessário, trazendo à tona feridas antigas provocadas por um crime imperdoável.
Os Herdeiros dos Titãs - De lutas e ideais foi publicado em 18-02-11 em Campo Grande - MS, terra natal de seu autor, Eric Musashi. Foi publicado pela Giostri Editora e tem 352 páginas com vários núcleos de ação, abordados em viagens através de uma terra antiga e castigada, iniciando uma trama que se concluirá em outro volume, tendo sido ambos escritos em um único processo em 2004.

Textos Extras
   É possível conquistar o que não pode ser mantido? Se tomo uma mulher, e a estupro todas as noites, ela é realmente minha? O que a impedirá de rasgar minha garganta enquanto durmo? Se não o fizer, seu destino será definhar até morrer, e não a terei do mesmo jeito.
A solução não é submeter o outro, e sim aprimorar a si mesmo. A natureza se encarrega de submeter os mais fracos.
Por que não conquistamos as Planícies Proibidas? Ainda que matemos ou expulsemos todos os dragões, deixarão de resultar em desgraça nossas comitivas? Poderão suas terras suportar uma mudança brusca para que alimentem os famintos de Atala? Serão férteis para o plantio avançado, ou só podem prover pequenos povoados primitivos de trigueiros?
É esta a solução ao nosso povo? Ou os titãs, a quem viramos as costas com Quetabel, nos passam outra mensagem?

Verjar, béli de Jatitã, num discurso poucos dias antes de sua morte

Eu me lembro de seis rostos
Diferentes do atual
E também de ser exposto
Numa mesa em ritual
De ser jovem tantas vezes
Ser mais moço que meu neto
E milhares de mulheres
Que em meus braços apertei
E nenhum laço amarrei

Eu me lembro de um rapaz
Assustado a me olhar
Ele jovem e eu sagaz
Porém corpo a definhar
Minha vida se extinguiu
Mas não houve o Vazio
E se olho no espelho
Bem pasmado eu percebo
Que é ele que eu vejo

Eu me lembro de seis vidas
E mais esta, a atual
Todas elas bem compridas
Pena e dom do ritual
Somos feitos de memórias
E o concreto se esvai
Mas me restam incertezas
Logrei a morte tapear
Ou eu só pude me lembrar?

Eu me lembro de seis vezes
Quando eu abri os olhos
Em um corpo diferente
Eram mesmo outros olhos
E ainda indiferentes
Que foi feito dos rapazes?
Pois estando neste corpo
Creio ser ainda pouco
E não consigo me lembrar


BookTrailer de Os Herdeiros dos Titãs



Contatos
Pelo Twitter
No Skoob como autor

Onde encontrar e comprar o livro
No Skoob
No blog (aproveite e participe da promoção)
No site da Editora Giostri

Minhas considerações
Eric é aquele autor que arrisca, inova, vai lá e cria um mundo baseado num que já existe; ele pegou elementos esotéricos sobre os atlantes e os tornou algo novo e interessante, com um realismo que impressiona e encanta.
Tive o prazer de ler seu primeiro livro e resenhar, além de fazer pequenas parcerias com ele.
Desejo a este grande amigo e fantasista incomum todo o sucesso com seus livros e sua literatura fantástica tão especial num mar de lugares-comuns.



Autores já citados:

Próximos autores:
Ø  Júlio Verne;
Ø  C. S. Lewis;
Ø  Kamila Zöldyek;
Ø  H. G. Wells;
Ø Stephane Lopes.

Olá!
Gostaram da postagem passada, sobre minha querida afilhada Bruna Frazão? Visitaram o blog da moça?
Pois bem, vamos a mais uma linda e talentosa autora, que me surpreendou enquanto revisava e editava o material enviado via Facebook.
Com vocês, Ana Macedo!


Ana Macedo, por ela mesma.
Honestamente, acho um tanto quanto ridículo falar como tudo isso começou.
Vamos por partes; primeiro dizendo quem sou eu e um pouco sobre minhas convicções.
Sou uma garota qualquer, uma criança, de dezesseis anos correndo avidamente atrás de um sonho, quando, na verdade, deveria estar estudando pro vestibular. Tenho depressão e, apesar de ser apaixonada por livros e histórias no geral, desde sempre passei a escrever com maior frequência como uma espécie de “fuga da realidade”, no intuito de não crescer.
Detalhes à parte, meu nome é Ana Macedo, autora de Lágrima de Fogo, um livro do gênero fantástico que irá às lojas em meados de 2012, com o selo Novos Talentos da Literatura Brasileira, pela Editora Novo Século.
Sempre fui o tipo de pessoa que acredita em destino, não naquela coisa imutável, mas numa espécie de caminho pré-estabelecido, no qual suas escolhas te conduzem, porém não acreditava em sorte, ainda assim devo dizer que talvez, e só talvez, esse fator tenha interferido (e muito) no meu “destino”.
A questão é que ter o mesmo sonho várias vezes, com criaturas que eu simplesmente idolatrava, não me pareceu coincidência. Enfim, por uma série de fatores isolados, comecei a escrever um conto, “empurrando com a barriga”, e antes que eu notasse, tinha história o suficiente para nada mais nada menos que OITO livros, oito mundos, uma infinidade de criaturas mágicas e um blog de divulgação feito por uma amiga.
Antes que o primeiro livro estivesse finalizado, recebemos uma proposta de editora.
Se não foi sorte, no mínimo teve a ver com “estar no lugar certo, na hora certa, com o texto certo”; pense como quiser. Foi então que notei que tudo aquilo estava ficando sério, e é aí que a gente vai atrás de inspiração. As minhas principais foram músicas e imagens.
Imagens de revistas, de jornais, um carro passando na rua ou a escadaria de uma igreja. Coisas simples, mas que traziam um significado.
As músicas eram em sua maioria músicas clássicas e music box, mas normalmente não obedeciam a um padrão. As principais sempre foram:
Song Of A Secret Garden
Sad Romance – Thao Nguyen Xanh
Davy Jones Music Box (de preferência com som de chuva)
Shouri - Zen No Theme (acho que vão se lembrar dessa)
Promise e Promise (reprise) – Sillent Hill 2
Lilium – Elfen Lied
Lullaby e Music Box – Nox Arcana
Buried Alive e Strengh Of The World – Avenged Sevenfold
This Is War – 30 Seconds To Mars
Vermillion Part 2 – Slipknot
Diary Of Jane, Evil Angel, Dance With Devil e Breath – Breaking Benjamin
Your Guardian Angel – Red Jumpsuit Apparatus

Considerando que a história, basicamente, se passa em um mundo paralelo ao nosso, tido no início como um mundo mágico de pureza e castidade (denominado Agnitellure) e que, por diversos motivos, eles entraram em conflitos e guerras.
Nada melhor que H. G. Wells. E foi assim que surgiu nosso primeiro quote, “Se não acabarmos com a guerra, ela acabará conosco”, que para mim foi a consolidação “oficial” da obra.
E cá estamos nós agora, com a ajuda de bons amigos, tentando divulgá-la.

A história
Nada é como realmente imaginamos. No universo existem 8 mundos paralelos, entre eles Agnitellure. Conhecido como “a terra casta”, o sexto mundo é uma terra mágica repleta de criaturas fantásticas. Durante vários milênios todas as raças viveram em harmonia e paz, mas mesmo neste mundo a paz não durou.
Quando anjos caídos e dragões decidem invadir o terceiro dos oito mundos, denominado “Terra”, os anjos recebem ordens dos quatro grandes protetores de Agnitellure para que levem a mais mortal e perigosa criatura de todas para a terra casta: os Humanos.
Dizem que os anjos traidores conseguiram voltar para o sexto mundo, mas os dragões que ousaram ultrapassar os véus dos mundos não puderam fazê-lo e em pouco tempo foram exterminados na Terra. Agnitellure nunca mais fora a mesma. As criaturas mágicas passaram a se esconder, deixando que os humanos tomassem boa parte do mundo. Uma guerra milenar, banhada em ódio e sede de poder, estourara entre os dragões, e uma nova guerra está para surgir.
Em meio a tudo isso, nossa história começa.
Lágrima de Fogo - Livro 1: Terra de Sombras* conta a história de Annabelle, uma jovem híbrida que cresceu acreditando que era humana, mas tudo muda quando, após sua tia lhe contar um segredo, ela é atacada por um dragão. Annabelle acaba sendo salva por uma criatura semelhante, mas que parece ser feita de pedras preciosas. A criatura revela-se um “Drakenae”, que, segundo os contos que rondam os oito mundos, é uma linhagem de dragões que podem assumir a forma humana, tida como "nobre" entre todas as criaturas.
Mas tudo parece surreal demais, principalmente porque não só este homem e sua raça, mas todo o mundo que ela acreditou conhecer esconde segredos que parecem sair das páginas dos livros que sempre gostou, lendas que a jovem jamais imaginou que pudessem ser reais.

* Terra de Sombras ou Mundo de Sombras, o título está passando por uma fase de edição que ainda não chegou a uma conclusão


Minhas considerações
Ao contrário de Passiflore ou de O Lobo, não tive a oportunidade de ler muita coisa do livro da moça, exceto aquilo que está no blog. Pelo que vi e acompanhei, a obra merece sim a nossa atenção, sobretudo pela autora ser tão nova, algo que desperta a nossa atenção, numa época que muitas meninas da idade dela se preocupam com coisas supérfluas.
Eu já reservei os meus livros.

 Autores já citados:
ü     Bruna Frazão.

Próximos autores:
Ø     Eric Musashi;
Ø     Júlio Verne;
Ø     C. S. Lewis;
Ø     Kamila Zoldyek;
Ø     H. G. Wells.


Olá, caros leitores, amigos e visitantes!
E aqui começa a primeira postagem sobre Autores de Fantasia, espaço dedicado aos clássicos, queridos, odiados e novos autores da Literatura Fantástica, desde aqueles que são leitura obrigatória por serem mestres no assunto fantástico quanto aqueles que estão começando e merecem a nossa atenção.
Como este espaço é DELES e não MEU, deixarei que cada um se apresente, diga sobre sua obra, quando se tratar de novos autores; e explanarei o melhor de cada um quando for daqueles já consagrados.
Para começar a série, vamos conhecer Bruna Frazão, minha afilhada e autora de O Lobo, livro o qual ajudo na busca por uma editora, e também de Passiflore, que é o que nos interessa hoje.

Bruna, por ela mesma.
Nasci a 21 de junho de 1993, em Codó, uma pequena cidade maranhense. Sou filha dos professores Maria de Fátima Lima Frazão Campos e João Azevedo da Silva. Tenho duas irmãs e um irmãozinho, os quais amo muito.
Desde muito pequena sou apaixonada por livros. Escrevi meus primeiros textos como uma espécie de passatempo, e aos catorze anos criei minha primeira novela, Coisa de Adolescente. Depois disso, escrevi pequenos contos, que agora se encontram perdidos em algum lugar de minha caixa de recordações.
A partir de então não parei. Escrevi meu primeiro romance, Aurora. E em seguida criei Sol de Inverno. A esta altura eu já cursava um ensino médio, e fiquei conhecida como a autora da turma. Escrevia também pequenos textos sentimentais, a maioria a pedido das amigas.  
Certa vez, às vésperas do aniversário de meu melhor amigo, sem tempo para lhe comprar um presente digno, e sendo ele um excelente leitor, escrevi um pequeno conto para dar-lhe de presente. E assim nasceu a história de Leslie Veiga, a garota salva por um lobo. Meu amigo gostou tanto da história que me aconselhou a escrever um romance sobre ela. Cheguei a escrever alguns capítulos, que foram perdidos, e a história esteve engavetada até março de 2010, quando tornei a escrevê-la, desta vez postando-a no blog CRIse!
Atualmente dedico-me a publicar O Lobo; concluir a saga Passiflore e muitos outros romances ainda perdidos em minha mente.

Sobre Passiflore – O Retorno da Princesa.
O primeiro livro da saga sobre o Reino de Passiflore. Passiflore é um mundo situado em outra dimensão, acessível através de portais ocultos. Era um único reino, cheio de magia e beleza, o último refúgio para qualquer criatura que precisasse de um local seguro, ou que estivesse prestes a ser extinta em seu próprio mundo.
Há séculos, uma guerra dividiu o reino em cinco: Passiflore do Leste, Nouena, Baggio, Reino do Sul e as Terras Livres – o último na verdade não é um reino, e sim um território livre, como o próprio nome sugere.
Este primeiro livro fala sobre o retorno de Zora, a princesa herdeira de Passiflore do Leste, exilada em nosso mundo para sua segurança até que atingisse a maturidade e pudesse assumir o trono.
A princesa foi criada como filha de um casal de nosso mundo, e ainda como irmã gêmea da filha legítima deste casal. Descobre-se herdeira de um reino em crise, aos dezesseis anos e com o apoio de sua irmã e do mago Leon tenta bravamente cumprir a profecia que declara que apenas ela poderá reunificar o reino de Passiflore.  

Sobre os principais personagens.
Hera Martins / Zora - Rainha de Passiflore do Leste
Freya Martins - Irmã de Hera e Condessa de Label
Leon - O mago. Sendo também Conselheiro da Rainha de Passiflore do Leste.
Jehan - Comar da Guarda Real de Passiflore do Leste (posto equivalente ao principal comandante das tropas do reino).
Ieragron - Rei do Reino do Sul
Marília Martins - Mãe de Hera e Freya
Luciano Martins - Esposo de Marília e Pai de Hera e Freya
Paso - ex-regente de Passiflore do Leste. Avô da Rainha Zora
Aihra - Princesa de Nouena, reino élfico.
Berafiord - Rei de Baggio


Sobre os reinos.
Passiflore do Leste:
Sua capital é Label, situada no extremo sul, não muito distante das fronteiras de Baggio e Reino do Sul. A bandeira do reino tem um puma negro sobre campo branco.

Baggio:
Sua capital é Lufia, na porção centro-leste, próxima da fronteira de Passiflore do Leste. A bandeira tem uma serpente dourada enroscada a uma espada prateada sobre campo marrom.

Nouena:
Reino Élfico. A capital, Moira, é situada no sul de Nouena. Sua bandeira traz um basilisco carmesim em campo dourado.

Reino do Sul:
A capital é Tuli, no norte da porção insular do reino. A bandeira traz um dragão maltus negro sobre campo carmesim.

Terras Livres:
Estão incluídas terras virgens como a Floresta Encantada, o Deserto de Galdi e a Ilha Drican – que possuí, no total, quinze vulcões.

Minhas considerações.
Tanto O Lobo, que pode ser lido por este link, quanto Passiflore, que será postado TODO no blog, mostram ao mercado literário a força dos blogs e dos talentos nacionais, sobretudo no campo da fantasia.
Bruna, minha afilhada literária, tem um futuro brilhante pela frente e você, meu amigo, leitor ou visitante, poderá ainda ouvir falar muito nela.






Próximos autores:
Ø Ana Macedo;
Ø Eric Musashi;
Ø Júlio Verne;
Ø C. S. Lewis;
Ø Kamila Zoldyek;
Por ora, é claro.

Postagens mais recentes Postagens mais antigas Página inicial

Licença Creative Commons
A obra "A Fábula Inacabada" de Alec Silva foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em afabulaoficial.blogspot.com.
Permissões adicionais ao âmbito desta licença podem estar disponíveis em http://afabulaoficial.blogspot.com/.

Outros Textos Meus

divulgar textos | publicar artigo