Blogger Template by Blogcrowds

.

Por motivos de força maior, ainda pouco eu posso revelar da saga, pois a graça está em ler cada volume e ir se aprofundando na trama (e também pela ausência de um PC pessoal).
Mas, hoje, irei revelar algumas coisas exclusivas:

  • O volume 1 (Pedras Elfo-Fádicas) é um prólogo da trama central (do volume 2 ao 9), enquanto o 10 (O Conto de Hildebrand) antecede toda a trama, explicando todos os eventos.
  • O título original do volume 1 era Pedras Fádicas.
  • Cada volume possui um estilo diferente do outro, além de ter uma referência literária específica.
  • O desfecho da trama, que se dará no penúltimo volume (A Feiticeira Indiana), foi elaborado um pouco antes da conclusão do primeiro.
  • O volume 2 (Diários Fairy-Stone) foi inspirado num diário que o autor manteve entre 2008 e 2009, no qual anotava tudo sobre o seu dia-a-dia.
  • Os sobrenomes Fairy-Stone e Saint-Floire foram escolhidos para dar pistas sobre o passado das duas famílias.
  • De todos os volumes, o primeiro é o único com menor aparência do maravilhoso/fantástico e o mais crítico, alfinetando os costumes sociais.
  • Os volumes 3 (Viagem ao Redor do Mundo), 4 (Mares do Oceano Desconhecido) e 5 (Numiária) são inspirados nos livros de aventuras sobre viagens, comuns entre o século XIII e XIX.
  • Thiers e Thierry foram escolhidos gêmeos porque o autor julgou ser melhor para o senvolver da trama, fato que ficará mais evidente nos últimos volumes.
  • O Templo de Amistechyx, o sétimo volume da saga, será baseado em O Conto de Fringhork, criado e cedido ao autor por Hayane de Souza.
  • Os douncearks inicialmente chamavam-se darks. O seu nome é um anagrama de dark ounce ("onça negra").
  • Os suktealls surgiram da ideia original de Eduardo Oliveira, que propôs criar uma fera que comesse apenas ossos. O nome é um anagrama de eat skull ("comer caveira").
  • Os dragões-libélulas já figuraram na novela infantil Zarak, o Monstrinho.
  • Os canórios foram inspirados na aparência de um maxixe.
  • A única cena esquematizada acontecerá no volume 8 (A Torre de Cristal), tendo a colaboração de um professor de Física.
  • A Saga AFI é a primeira parte de uma série de três partes. A segunda parte (O Conto Perdido), terá 5 volumes e acontecerá no século XXI; e a terceira parte (A Crônica Esquecida) terá apenas 2 volumes e narrará a origem de Numiária. Embora sejam interligadas, as três séries são independentes uma da outra.

Muitos leitores (não sei se é o caso dos meus) ficam curiosos em encontrar o autor de algum livro, de algum blog e ter algum contato com ele (eu, como leitor, tenho esta vontade).

Pensando nisso, resolvi reunir aqui tudo o que pude sobre como me encontrar além deste blog.


A lista é um pouco extensa, mas vamos à ela:



  • Quem tiver dúvidas, pode me achar no Formspring.me e deixar a sua pergunta, que será respondida;
  • Meu MSN e e-mail é:
    iung-tao@hotmail.com;
  • Estou no Orkut também e tenho uma comunidade da saga A Fábula Inacabada;
  • Estou ainda no Facebook;
  • Também estou no Twitter.
Bem, por ora é só...

Aguardo contato.




O Alfer Medeiros, autor de Fúria Lupina - Brasil, sugeriu.

Vamos aos vídeos:





O Alfer Medeiros, autor de Fúria Lupina - Brasil, sugeriu.

Vamos aos vídeos:

O Alfer Medeiros, autor de Fúria Lupina - Brasil, sugeriu.

Vamos aos vídeos:


O Alfer Medeiros, autor de Fúria Lupina - Brasil, sugeriu.

Vamos aos vídeos:


O Alfer Medeiros, autor de Fúria Lupina - Brasil, sugeriu.

Vamos aos vídeos:

O Alfer Medeiros, autor de Fúria Lupina - Brasil, sugeriu.

Vamos aos vídeos:

O Alfer Medeiros, autor de Fúria Lupina - Brasil, sugeriu.

Vamos aos vídeos:


O Alfer Medeiros, autor de Fúria Lupina - Brasil, sugeriu.

Vamos aos vídeos:


O Alfer Medeiros, autor de Fúria Lupina - Brasil, sugeriu.

Vamos aos vídeos:







O Alfer Medeiros, autor de Fúria Lupina - Brasil, sugeriu.

Vamos aos vídeos:


Demorei, mas aqui disponibilizo para download a primeira parte da extensa trilha sonora da saga!
É só clicar aqui, no 4Share baixar!

Bem, deu muito trabalho, pois a Internet da cidade que moro é uma porcaria, mas sou brasileiro e não devo desistir!

Abaixo segue a lista de todas as músicas deste álbum, lembrando que cada título está sob o seu legítimo autor, ou seja, nada de dizer que eu surrupiei a música de ninguém!


^^

Fairy Tale (Shaman) - Em três versões: em estúdio, ao vivo e instrumental.

Imaginary (Evanescense)

Sweet Dreams (Marilyn Manson)

Lost Love (Enzo Carlino)

My Inmortal (Evanescense)

Nothing to Say (Angra)

Turn Away (Shaman)

Destiny (Galdson)

The Dreamer's Overture (JT Bruce)

Legends (Galdson)

Até a China
  4 (6%)
Andaria por todo o mundo, se fosse preciso
  9 (15%)
Numa livraria
  6 (10%)
A outro mundo
  20 (34%)
Tentaria achar o autor
  7 (12%)
Deixaria de lado e leria outra história
  8 (13%)
Sei lá
  4 (6%)

Realmente não sei por que inicio este diário. Talvez a culpa seja de Bigeye, que tanto exige de mim anotações, mesmo que tolas, sobre o meu dia. Ou ainda posso acusar a minha solidão interna.
Para quem um dia ler, eu devo apresentar-me formalmente: chamo-me Thiers Saint-Floire Fairy-Stone, filho de Wagner Wald Fairy-Stone e de Cassia Saint-Floire Fairy-Stone, neto de Anton Wald Fairy-Stone, e irmão de Thierry Saint-Floire Fairy-Stone.
Eu detesto ter que me apresentar assim, mas é um costume, e devemos seguir e respeitar os costumes na verdade, é o que vive dizendo o meu irmão.
Ler é algo que muito me agrada, mas escrever me cansa! Um dia perguntarei a um escritor como ele consegue criar e escrever histórias tão longas e bem elaboradas sem se cansar ou ser chato.
Papai, antes de morrer, contou-nos a mim e a Thierry uma fábula... Bem, eu acho que era um conto de fadas, porém ele insistiu em chamar de fábula. Até apelou, argumentando que mito ou lenda ou até mesmo um conto era uma fábula.
Ainda fico pensando em como deve ser o final da história, mas nem ouso eu mesmo tentar elaborar um final para ela. Não sou nenhum ficcionista para isso e nem pretendo ser.
O sono já chega, mas Bigeye está cantando uma música que não entendo sequer uma palavra. Já o mandei se calar, porém ele parece não me ouvir. Se não fosse o sono pesado de meu irmão, estaríamos em grandes apuros.
Eu sei que não é normal um menino de minha idade temer um sonho ruim como se ainda fosse um bebê, mas eu ainda temo. Sempre via a mesma coisa: uma estrela muito brilhante, uma voz me chamando, um campo, um monstro pavoroso. Por ora cessou, mas a lembrança... A lembrança me atormenta até hoje!
Que falta faz o papai! Ele...
Melhor eu parar antes que molhe mais ainda a folha e as letras, que tanto me custaram escrever. Farei Bogeye calar-se, nem que eu tenha que entupir a sua boca com as meias fedorentas de Thierry!
Orarei hoje pelas almas de mamãe e papai, que estão no céu, pertinhos de Jesus Cristo.
Por ora é só...

Brasão da Casa, por Diego Alves.





A única Casa de Classe Livre, da qual descendem todas as fadas, elfos e fadelfos (e meio-elfos, em alguns casos) que possuem total liberdade em assuntos políticos, sociais e militares.





Lyn foi uma fada responsável em reunir as artes em geral, formando a cultura numiariana, que é tão rica e diversa.





De todos os clãs, é o mais numeroso, possuindo fadas, elfos, fadelfos, meio-elfos, humanos e outras criaturas sob as suas pedras.





Quando o pequeno Thiers Saint-Floire Fairy-Stone iniciou um diário, nunca imaginou que registraria eventos fantásticos de uma infância incomum.


Curioso, o menino descobre um diário escrito por seu bisavô entre centenas de livros, uma folha em cada volume. Ao montá-lo, inicia uma sequência de acontecimentos e de aventuras que o levarão a descobrir e explorar as câmaras subterrâneas da velha mansão em que mora.


Ele e o primo, Hubert MacLwun, abrirão uma a uma, encontrando segredos e perigos que revelarão a ambos um novo mundo, um mundo de magia e mistérios que vão além da compreensão e da imaginação de um ser humano.



A segunda parte da saga "A Fábula Inacabada", com muito mais aventura e tensão.

Brasão da Casa, por Diego Alves.
Atualmente reduzida a um membro apenas, esta Casa de Classe Sagrada era formada por sacerdotes de um poder desconhecido pelas demais Casas, guadiões escolhidos pelos próprios deuses.





O Templo de Amistechyx já fora um lugar rico em vida e paz, um refúgio para todos que precisassem de descanso espiritual. Mas a ganância de Fringhork destruiu tudo, tornando a ilha um lugar de ruínas e trevas.

O último membro deste clã élfico guarda um livro que pode ajudar a derrotar o tirano e a própria Feiticeira Indiana, o que o torna procurado tanto pela Rebeldia quanto pelo Reino Sombrio.

Brasão da Casa, por Diego Alves.
Outra Casa da Classe Sacro-Militar, da qual descende a Rainha Fádica Dhaelmiry.





Milderine era uma fada que se sacrificou para que os humanos pudessem viver, ato que a tornou muito adorada em todo o mundo, sobretudo pelas fadas e pelas humanas, que almejam os segredos fádicos.

Embora sejam bélicas, as fadas desta Casa guardam os conhecimentos arcaicos das Pedras, que foram criadas pelos deuses e entregues a seis elfos e seis fadas após a criação do mundo.

Devido a tirania da Feiticeira Indiana, este clã fádico tornou-se reduzido a cinco membros que se escondem sob a forma humana, aguardando o cumprimento de uma profecia sobre o aparecimento dos herdeiros da Casa Principal.

Brasão da Casa, por Diego Alves.

A Casa da Classe Sacro-Militar mais importante, da qual descende o rei Élfico Kyrin, composta por elfos e elfas da luz.






Telgar, o fundador da Casa, era um elfo bélico, um guerreiro que nunca temia nenhum mal. Quando Fringhork atacou o Templo de Amistechyx, ele correu ao socorro do fundador da Casa da Classe Sagrada, sendo morto pelo Senhor da Morte.

Os membros que compõem este clã são exímios guerreiros dos deuses, tendo sido os únicos a servirem a Casa Elfo-Fádica Principal. Quando a Feiticeira Indiana dominou o mundo, no fim da Era Breve das Treze Casas, vinte e seis guerreiros tentaram derrotá-la, surgindo assim os suktealls.

Atualmente os remanescentes desta Casa são mercenários, piratas ou andarilhos, cabendo a estes buscarem a justiça e aguardarem os herdeiros mestiços da Casa da Classe Real.

Outra sugestão de Diego Alves.

Capa sugerida por Diego Alves.
Se não fossem as fadas com asas, seria 100%!
^^

Postagens mais recentes Postagens mais antigas Página inicial

Licença Creative Commons
A obra "A Fábula Inacabada" de Alec Silva foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em afabulaoficial.blogspot.com.
Permissões adicionais ao âmbito desta licença podem estar disponíveis em http://afabulaoficial.blogspot.com/.

Outros Textos Meus

divulgar textos | publicar artigo